terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Polícia prende suspeitos de arrombar agência bancária em Campina Grande

Uma quadrilha suspeita de arrombamento de caixas eletrônicos e assalto a agências bancárias foi desarticulada em uma operação na manhã desta segunda-feira (3), nas cidades de Campina Grande e Lagoa Seca, Agreste paraibano. Três pessoas foram presas suspeitas de integrar um grupo envolvido no arrombamento da agência do Banco do Brasil, que aconteceu na madrugada desta segunda-feira, no bairro São José.
SUSPEITOS
FOTOS: PARAÍBA ONLINE
De acordo com a Polícia Civil, que já vinha investigando os suspeitos há cerca de seis meses, Rodolpho Duran Amorim, Luan Leite da Silva e Joscenio Ferreira Batista foram presos em flagrante quando se preparavam para dormir após terem realizado a ação criminosa. A Polícia Civil suspeita que pelo menos mais cinco pessoas façam parte da quadrilha.
Ainda conforme a polícia, no local de difícil acesso, na zona rural de Lagoa Seca, que servia de esconderijo para os criminosos, foram encontradas armas, munição e dinheiro, além de uma escada, luvas e ferramentas que, possivelmente, foram usadas no arrombamento do banco.
Grupo foi preso suspeito de arrombamento em agência do Banco do Brasil, em Campina Grande — Foto: Felipe Valentim/TV Paraíba
“Quando recebemos o chamado e fomos até o local, identificamos que o crime tinha as mesmas características da quadrilha que estávamos investigando desde março, e como já havia mandado de busca e apreensão contra eles, resolvemos agir", explicou o delegado Victor Melo, responsável pela operação.
Ainda conforme o delegado, a quadrilha seria especializada em ações não-violentas, especialmente com o uso de máquinas de corte. "Eles estudam a ação, o local, e conseguem praticar o crime de forma silenciosa", afirmou Melo.
Na residência de Rodolpho Duran Amorim, a polícia encontrou ainda uma máquina de clonagem de cartões. Rodolpho, que já cumpriu pena por estelionato, teria “migrado” para crimes contra bancos.
Os homens permanecem presos na carceragem da Policia Civil, em Campina Grande.
G1/PB