sábado, 8 de dezembro de 2018

PM DA PB REAGE ASSALTO E MATA LADRÃO EM RECIFE. OUTROS BANDIDOS FORAM PRESOS

Dois homens suspeitos de assaltar e balear um policial militar da Paraíba em um restaurante no Recife foram presos. O crime aconteceu na segunda-feira (3), quando um trio assaltou clientes do estabelecimento. Segundo a Polícia Civil, ao ter duas armas apontadas para a sua cabeça, o policial reagiu. Na ocasião, um bandido foi morto. O PM permanece internado no Recife.
A prisão foi divulgada pela polícia nesta sexta-feira (7). Segundo a corporação, os dois homens presos planejavam vingança pela morte de Marcos Klebson Galvão da Silva, de 19 anos, que morreu na investida.
Segundo o delegado Carlos Couto, titular da 4ª Delegacia de Homicídios, a participação de cada um dos suspeitos está bem definida pela polícia. O delegado destacou, ainda, a postura do policial durante a investida criminosa: ao ser abordado, o PM entregou as chaves da própria motocicleta.
No entanto, quando ele foi revistado, os bandidos perceberam que estava armado, roubaram sua pistola e apontaram as duas armas para a cabeça do policial. Nesse momento, o PM teria reagido e entrado em luta corporal com os bandidos.
"Provavelmente, ele viu que não teria outra saída a não ser reagir a essa investida. Ele reagiu, entrou em luta corporal com esses suspeitos e mesmo sendo alvejado por duas vezes, ele conseguiu tomar uma das armas e efetuou disparos em direção a esses suspeitos para cessar a agressão", afirma o delegado responsável pelo caso.
O policial militar Robert de Azevedo Cézar, de 37 anos, foi atingido com dois tiros de arma de fogo na região do abdômen e segue internado em um hospital particular na Zona Norte do Recife. Nesta sexta (7), o estado de saúde dele é estável.
Suspeitos trocam acusações
Segundo a Polícia Civil, apesar de confessarem o assalto ao restaurante, no bairro de Jardim São Paulo, na Zona Oeste do Recife, os dois suspeitos jogam a participação no confronto com o PM um para o outro.
Ainda de acordo com a polícia, a dupla que foi presa e o terceiro suspeito que morreu durante o confronto estão envolvidos com tráfico de drogas e têm provável envolvimento em um assalto a um posto de combustíveis na última semana.
"Willian estava em regime semi-aberto, ele foi solto a dois meses, também pelo crime de roubo", diz o delegado, que afirma que ele possui também uma tatuagem de palhaço, conhecida no mundo do crime como "matador de policial".
Os dois homens foram autuados em flagrante por tentativa de latrocínio e apresentados para audiência de custódia, onde tiveram a prisão convertida em prisão preventiva.
G1/PB



NOTA DE ESCLARECIMENTO