quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Operação Manus: Justiça Federal do RN começa a ouvir testemunhas

G1/RN
A Justiça Federal começou a ouvir nesta terça-feira (16) as testemunhas do processo da Operação Manus. A ação apura um suposto pagamento de propina para obra da Arena das Dunas. Neste primeiro dia de oitivas, prestaram depoimento o conselheiro de Contas do Rio Grande do Norte Carlos Thompson, e o ex-ministro do Tribunal de Contas da União Valmir Campelo, este por videoconferência.
De acordo com a assessoria de comunicação da JF, são mais de 100 testemunhas, entre acusação e defesa. O juiz federal Francisco Eduardo Guimarães Farias, titular da 14ª Vara, é quem está ouvindo os depoimentos. A pauta de testemunhas de acusação seguirá até a sexta-feira (19) e terá intervalo, retornando no mês de abril.
A Operação Manus tem como réus o ex-deputado Eduardo Cunha, o ex-ministro e ex-deputado Henrique Eduardo Alves, José Adelmário Pinheiro Filho, Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis, Carlos Frederico Queiroz Batista da Silva e o publicitário Arturo Silveira Dias de Arruda Câmara.
Manus
A operação Manus, que foi deflagrada em junho de 2017, investiga corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro na construção da Arena das Dunas, em Natal. Segundo a PF, a Manus foi um desdobramento da operação Lava Jato.
Na ocasião em que foi deflagrada a ação, foi preso o ex-ministro Henrique Alves e um novo mandado de prisão foi cumprido contra o ex-deputado Eduardo Cunha. Ambos são do PMDB e foram presidentes da Câmara dos Deputados. Alves foi ministro do Turismo nos governos Dilma Rousseff e Michel Temer.
Durante a análise do material apreendido da Manus foram identificadas fortes evidências quanto à atuação de outras pessoas pertencentes à organização criminosa, que continuou praticando lavagem de dinheiro e ocultação de valores para o chefe do grupo. Foi identificado também um esquema criminoso que fraudava licitações em diversos municípios do estado visando obter contratos públicos que, somados, alcançam cerca de R$ 5,5 milhões, para alimentar a campanha ao governo do estado de 2014.