domingo, 24 de dezembro de 2017

Homens são presos após série de assaltos na Grande Natal; PM segue sem ir às ruas pelo sexto dia

Na foto aparecem dois dos três suspeitos de assaltos a pedestres em São Gonçalo do Amarante e Parnamirim, na Grande Natal (Foto: PRF/Divulgação)
G1RN
Três homens foram presos neste sábado (23) depois fazerem arrastões em pontos de ônibus e assaltos nas ruas das cidades de São Gonçalo do Amarante e Parnamirim, ambas na Região Metropolitana de Natal. De acordo com a Polícia Civil, depois da prisão sete pessoas já reconheceram o grupo e foram buscar seus pertences na Delegacia de Plantão da Zona Norte.
Os suspeitos foram detidos pela Polícia Rodoviária Federal. Segundo a assessoria de comunicação da PRF, a equipe fazia ronda pela BR-406, na tarde do sábado (23), em São Gonçalo do Amarante, quando foi abordada por pedestres. Eles informavam que haviam sido assaltados por bandidos que estavam em um Fox.
Foi o primeiro carro de polícia que encontraram após terem os pertences tomados pelos assaltantes. A Polícia Rodoviária Federal do RN só tem atuação nas rodovias federais que passam pelo estado potiguar.
Ao iniciarem a busca aos suspeitos, os PRFs visualizaram o veículo denunciado entrando na rodovia. Ainda segundo a assessoria, foi dada ordem de parada, porém os ocupantes ignoraram e, em ato contínuo, começaram a atirar contra a viatura.
Houve troca de tiros e os policiais conseguiram abordar e prender os assaltantes. Um deles ainda desceu do carro e tentou fugir por uma região de mata, mas foi detido logo em seguida. Com os três foram encontrados três revólveres calibre 38 municiados, uma faca, além de celulares.
Após a abordagem e prisão, os suspeitos foram encaminhados à Delegacia de Plantão da Zona Norte de Natal, para os procedimentos legais.
RN sem PM
O RN vem sofrendo com a falta de policiamento militar nas ruas desde a terça (19). Além de exigir o pagamento em dia dos salários, os PMs também dizem que só deixam os batalhões com viaturas, materiais de proteção e armas em condições adequadas de uso. Por isso, alegam que não estão em greve, mas realizando uma operação chamada 'Segurança com Segurança'.
Agentes, escrivães e delegados da Polícia Civil se uniram ao protesto e estão trabalhando em escala de plantão. Isso significa que desde o início do movimento apenas as delegacias de plantão e as regionais estão funcionando.