terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Após reunião com sindicatos, carro do governador do RN é atacado na saída do centro administrativo

Reunião entre governo do RN e sindicatos acabou sem previsão para pagamento de salários (Foto: Kleber Teixeira/ Inter TV Cabugi)
G1/RN
O carro do governador Robinson Faria (PSD) foi atacado por manifestantes no início da tarde desta segunda-feira (18), em Natal. O caso aconteceu na saída da governadoria, no Centro Administrativo do Rio Grande do Norte, onde o gestor tinha participado de uma reunião com sindicatos de várias categorias de servidores estaduais.
Durante a confusão, registrada pelo repórter cinematográfico Olinto Bezerra, da Inter TV Cabugi, também é possível ver troca de agressões entre pelo menos um manifestante e um servidor da governadoria. O governador estava dentro do veículo no momento.
Robinson Faria saía do gabinete onde havia participado de uma reunião com sindicatos e associações que representam várias categorias de servidores do estado que estão com salários atrasados. Passada a primeira quinzena de dezembro, a folha de novembro ainda não foi paga e não há previsão para que depósito dos vencimentos.
A reunião começou por volta as 11h e durou mais de uma hora e meia. Durante o encontro, o governador, assessores e secretários de estado informaram aos servidores que ainda não tinham previsão para o pagamento das folhas de novembro, dezembro e do 13º salário. Eles ainda afirmaram que prevêem para o fim da tarde desta segunda-feira a definição de um calendário.
Servidores que já estavam no centro administrativo foram para a saída lateral da governadoria, onde aguardaram a saída de Robinson Faria e gritaram palavras de ordem. Em um momento de maior tensão, atacaram o veículo onde o governador estava.
O governador segue para Brasília, onde tem uma reunião com o presidente Michel Temer (PMDB), ainda durante a tarde, para discutir uma ajuda financeira ao Estado. O governo pediu ao Governo Federal um auxílio de R$ 965 milhões, mas recebeu uma sinalização para a liberação de R$ 750 milhões.