domingo, 22 de outubro de 2017

RN atinge marca histórica de 2 mil assassinatos em menos de um ano

Segundo especialistas, índices de violência no RN são alarmantes (Foto: Ney Douglas)
G1/RN
O Rio Grande do Norte atingiu neste domingo (22) uma marca assombrosa: 2.000 homicídios no ano. Segundo o Observatório da Violência Letal Intencional (OBVIO) – instituto que contabiliza os crimes contra a vida no estado – nunca se matou tanto em toda a história do estado. No geral, o total de assassinatos é 25,8% maior que a quantidade registrada no mesmo período do ano passado – o que representa uma média atual de 6,80 mortes por dia. Natal, com 524 mortes, é a cidade potiguar mais violenta.
O número é o maior já registrado no RN. Nunca se havia chegado a 2 mil homicídios em um só ano no estado, e ainda faltam mais de dois meses para o fim de 2017. Do total de assassinatos, cerca de 78% estão relacionados com o tráfico de drogas, afirma Sheila Freitas, secretária de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed).
O que está acontecendo com a segurança pública do estado? Por que tanta violência? O que explica todo este sangue derramado? Qual a solução? Em busca destas respostas, o G1 pediu a juízes, promotores de Justiça, sociólogos e especialistas, todos com larga experiência na esfera criminal, que fizessem uma avaliação da situação.
Apesar de distintas as posições quanto ao papel desempenhado pelo Estado enquanto gestor da segurança pública, há pontos em comum. É unânime afirmar que é preciso investir, ou seja, mais recursos disponíveis, mais gente, mais equipamentos, melhores salários, além de mais educação, mais saúde, lazer, emprego. Enfim, é necessário, e urgente, políticas públicas eficazes de enfrentamento à criminalidade e também de transformação social. Confira:
Raimundo Carlyle, juiz criminal
Uma análise sobre a situação de violência no RN, em particular sobre o crescente número de mortes violentas letais intencionais, pode ser dividida em três pontos:
a) uma brutal ausência de investimentos em apoio social de base ao longo dos anos, o que fortalece as facções criminosas que passam a substituir o Estado. Exemplos: inexistência de escolas de tempo integral para as crianças carentes e de cursos profissionalizantes para os adultos marginalizados e os egressos do sistema prisional;
b) efetivo policial deficitário e sem previsão de elevação dos níveis de contratação e de produtividade das atividades ostensiva e preventiva, o que poderia ser remediado através da fiscalização intensiva do trabalho de patrulhamento e de investigação;
c) ineficiência no uso da inteligência policial estratégica, ou seja, no planejar das ações policiais baseadas em georreferenciamento de crimes, possibilitando a sua prevenção.
Patrícia Antunes, promotora de Justiça
O Rio Grande do Norte é um dos estados com os piores índices na crise de segurança pública do país. Alto número de homicídios e assaltos, baixa elucidação dos crimes, efetivo das polícias – civil, militar e técnica – insuficientes, baixo investimento público.
A crise na segurança pública amedronta a população e espanta os turistas. A violência no RN tem atingido patamares inaceitáveis e elevado à cidade de Natal, especialmente, a uma das mais inseguras do país. As causas desse crescimento da violência local são as mais diversas e, a crise financeira, isoladamente, não pode ser, evidentemente, o escudo de justificação do governo.
O RN tem sofrido, não de hoje, com a má gestão na segurança pública. Mas o problema só agrava. Falta investimento em números adequados, gestão e estratégia. Tais insuficiências, agravada pela crise econômica, levaram a violência a números assustadores.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

CNCLASSIFICADOS.COM (NOVEMBRO DE 2017): CONFIRA NOSSOS PRODUTOS E FAÇA UM ÓTIMO NEGÓCIO

VENDE-SE CASA COM ESTRUTURA DE 1º ANDAR EM CURRAIS NOVOS, CASA DE ESQUINA, GARAGEM PARA 03 CARROS, SALA DE VISITA, 3/4 (01 SUITE), 02 BAN...