terça-feira, 17 de maio de 2016

Acusado de matar criança de 02 anos com tiro de 12 em Mossoró vai a julgamento

MOSSORÓ HOJE
O Tribunal do Júri Popular se reúne nesta terça-feira, 18, em Mossoró/RN, para julgar o pedreiro Cláudio Clemente de Araújo, de 48 anos, por ter matado, com um tiro de doze, o bebê Leo Jackson Fernandes da Silva, de 2 anos, no dia 9 de novembro de 2013.
Na ocasião, também foi baleado e morreu em seguida no Hospital Regional Tarcísio Maia o adolescente Marcelo Augusto Nascimento Silva, que tinha 16 anos. O alvo de Cláudio Clemente era outro adolescente, de nome Daniel Moura Faustino, de 17 anos.
Daniel foi baleado de raspão. É testemunha no processo. O motivo do duplo homicídio e da tentativa de homicídio é uma vingança. Segundo Cláudio Clemente, Daniel Faustino teria “carregado” sua filha de 11 anos, no dia 7 de novembro de 2013, ou seja, dois dias antes.
Revoltado com o fato, Cláudio Clemente pediu o Fiesta preto emprestado ao irmão Cleiton Medeiros dizendo que ia se mudar do bairro Planalto 13 de Maio, onde mora. Entretanto, armado de doze e na companhia de outras duas pessoas, foi matar Daniel Faustino.
Não consta no processo os nomes destas outras duas pessoas que teriam participado diretamente do crime, um dirigindo e outro apontando o local. Cláudio estava no banco traseiro do carro e efetuou um só disparo na direção de Daniel Faustino.
O tiro de espingarda doze se espalhou e acertou a cabeça do menino Leo Jackson. Daniel Faustino, mesmo baleado, conseguiu fugir. Marcelo Augusto, baleado, foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu quando recebia socorro médico no Tarcísio Maia.
O caso foi apurado pelo delegado Cleiton Pinho, da Delegacia de Homicídios, que terminou por prender o suspeito Cláudio Clemente na Grande Natal. Aos policiais, Clemente confessou espontaneamente, em vídeo, que havia efetuado o disparo e contou as razões.
A versão de Cláudio Clemente, confessando o duplo homicídio e a tentativa, bateu com a história que já existia na justiça, precisamente na Vara da Infância e da Juventude. Estes dados também fazem parte do processo, que é público e vai a Júri Popular nesta quarta-feira, 18.
O julgamento
O julgamento será aberto às 8h pelo juiz Vagnos Kelly Figueiredo de Medeiros, no Salão do Tribunal do Júri Popular no Fórum Municipal Desembargador Silveira Martins. As testemunhas e o réu serão interrogados logo após o sorteio do Corpo de Jurados. Em seguida, o promotor de Justiça Italo Moreira Martins fará uma exposição de 1 hora e 30 minutos defendendo as teses pedindo a condenação do réu pelo duplo homicídio e pela tentativa de homicídio. O advogado José Niécio Roldão da Silva fará a defesa.





Nenhum comentário:

Postar um comentário